Ventiladores

 

Ventiladores simples, usados habitualmente no domicílio.

Têm apenas uma saída para a tubuladura de ventilação.

Não têm bateria.

Não são de todo indicados para ventilação invasiva, no entanto é uma opção frequente dada a ausência de equipamentos adequados.

Ventiladores hospitalares, utilizados em situações com necessidade de maior ou mais controlado aporte de oxigénio, e normalmente maiores pressões.

Possuem uma entrada que conecta diretamente à fonte de oxigénio (bala ou parede). Possui uma saída para a tubuladura de ventilação e uma saída para a tubuladura pequena de sensor de pressão de linha.

Ventiladores de transporte usados habitualmente em transporte de doentes emergentes com VMI, mas também podem ser usados para CPAP (Oxylog 2000) ou BiPAP (Oxylog 3000).

Têm bateria para várias horas.

 

 

Filtros bacteriológicos

 

Filtros bacteriológicos simples

Filtros bacteriológicos permutadores de calor e humidade.
Utilizados em ventilações prolongadas. Desnecessários em contexto de urgência.

Ambos os filtros só devem permanecer no máximo 24 horas em uso. Após este periodo a eficiência de filtração diminui. Também agrava significativamente o risco de aumento da resistência à passagem de ar. Em utentes agitados, com bastantes secreções, com nebulizações frequentes e com oxigenoterapia contínua a frequência de troca deve aumentar tantas vezes quanto necessárias. A resistência do filtro deve ser avaliada frequentemente pelo enfermeiro.

Filtro ventilador em bom funcionamento.

Fuga aumenta. pressões nulas e alarme dispara.

Filtro ventilador saturado

Fuga não detetada, pressões aparentemente normais. Não alarma.

 

Tubuladuras

Tubuladura simple, sem qualquer válvula.

Tubulaturas com filtro incorporado e sistema de controlo de pressão (utilizado nos ventiladores vision por exemplo). Tem válvula expiratória no final da tubuladura.

Tubuladura com sistema de controlo de pressão e válvula expiratória para ventiladores Oxylog.

 

Válvulas expiratórias

Usadas em sistemas sem válvulas expiratórias na tubuladura ou na máscara (por exemplo para usar ventiladores de domicílio com tubuladuras simples em traqueostomias).

Também podem estar indicadas em utentes com altas retenções de CO2.

Adaptadores

Adaptadores de oxigénio

Adaptadores para alterar tamanhos dos encaixes (M-M ou F-F)

Tendo em conta o material listado nesta página, apenas o adaptador verde será necessário.

Peças em T, usadas para conectar sistemas de nebulização na tubuladura do ventilador ou para usar em tubos endotraqueais e traqueostomias.

Cachimbo, usado para conectar tubuladuras com necessidade de L, ou para encaixe em traqueostomias e tubos endotraqueais. Com ou sem porta para aspiração de secreções ou fibroscopia.

Atenção que existem dois tipos de encaixes, um mais largo para tubuladuras comuns, e outros mais estreitos para válvulas expiratórias de plateau (ver acima).

Montagem de sistemas de ventilação

Algumas regras essenciais de montagem de um sistema de ventilação:

1. Conhecer todos os dispositivos envolvidos. Em caso de existir qualquer dúvida pedir ajuda a um colega (a alternativa coloca em risco a vida do utente).

2. Em locais que podem receber utentes graves que possam necessitar de ventilação rápida, ter um ventilador e material preparados para usar rapidamente.

3. Garantir que o sistema possui uma e apenas uma válvula expiratória. Sistemas sem válvula expiratória impedem a saída de CO2 e rapidamente induzem hipercapnia.

Exemplo 1: Montagem de sistema com ventilador de domicílio em traqueostomia

Material necessário:

- Ventilador
- Filtro
- Tubuladura simples
- Válvula expiratória
- Cachimbo de entrada pequena
- Traqueostomia com cânula interna não fenestrada com cuff insuflado

 
Exemplo 2: Montagem de sistema com ventilador Oxylog em tubo endotraqueal

Material necessário:

- Ventilador
- Tubuladura do Oxylog
- Filtro
- Cachimbo
- TOT